Como reconhecer os sinais de uma potencial amizade tóxica

0 22


De acordo com William Sanches, especialista em comportamento humano e programação neurolinguística, a toxicidade pode influenciar negativamente a autoestima e a aceitação própria

Quando passamos a perceber que relações construídas em confiança e apoio mútuo evoluem para um cenário de manipulação, ciúmes excessivos, críticas constantes e falta de reciprocidade, os efeitos negativos podem ser avassaladores e, em alguns casos, irreversíveis.

A influência de uma amizade tóxica pode minar a autoestima, distorcer a percepção da realidade e criar um ciclo de negatividade que limita o crescimento pessoal e a felicidade, sendo fundamental reconhecer os sinais desse tipo de relação para proteger a própria saúde mental e emocional.

De acordo com William Sanches, terapeuta, escritor e especialista em comportamento humano e programação neurolinguística, esses sinais podem ser ainda mais evidentes quando esses amigos convivem juntos por um longo período de tempo. “Quando duas pessoas cultivam uma grande amizade e decidem morar na mesma casa, por exemplo, é possível perceber lados que ainda não havíamos conhecido sobre esse amigo ou amiga. Por isso, antes de tomar uma decisão tão radical, aconselho realizar algumas viagens para  entender como seria a convivência com essa pessoa no dia a dia”, relata.

O especialista aponta que cultivar amizades verdadeiras é uma parte fundamental de qualquer jornada. No entanto, é importante reconhecer os sinais de alerta que evidenciam uma possível relação tóxica. “Muitas vezes, esses sinais são sutis e podem passar despercebidos, mas sua influência negativa tem o poder de afetar profundamente a autoestima e o bem-estar emocional”, revela.

Para o terapeuta, reconhecer padrões de comportamentos prejudiciais é o primeiro passo para tomar medidas que possam evitar esse tipo de situação. “Perceber críticas constantes é o ponto inicial para identificar uma amizade tóxica. Essas pessoas frequentemente realizam comentários negativos sobre nossas escolhas, aparência e, até mesmo, sobre nossas realizações. Isso não apenas minimiza a autoestima e a confiança, mas também proporciona um sentimento de vazio interno, atrapalhando a prosperidade individual”, declara.

Em uma amizade tóxica, a manipulação se torna uma ferramenta de controle emocional poderosa. “A pessoa manipuladora utiliza táticas para minar a autoestima, constantemente reforçando a ideia de que suas escolhas são equivocadas. Ao criar um ambiente no qual a vítima se sente constantemente insegura e incapaz de tomar decisões, essa suposta amizade assume uma posição de influência dominante, nos tornando suscetíveis a ceder às suas vontades em busca de aprovação e validação, mesmo que em detrimento de nossos próprios desejos e necessidades”, pontua Sanches.

A constante competição também é um sinal de alerta para potenciais amizades tóxicas. “Essas pessoas se esforçam para se posicionar como superiores, maculando de forma disfarçada as escolhas e ações que realizamos. Ao enfatizar que suas abordagens são melhores, inclusive diante de terceiros, essa suposta amizade busca danificar a autoestima alheia e afirmar suas próprias qualidades. Essa dinâmica de comparação constante gera um ambiente de desconforto e ansiedade, prejudicando a confiança e o senso de autovalorização”, relata.

Segundo o escritor, se livrar de uma relação repleta de toxicidade pede coragem. “Iniciar uma conversa franca com essa amizade sobre os padrões prejudiciais da relação pode ser um primeiro passo. No entanto, quando os problemas persistem ou não há receptividade para mudanças, o distanciamento pode ser a solução necessária para preservar a saúde emocional. Ao nos afastarmos, escolhemos proteger nosso bem-estar, proporcionando espaço para o crescimento pessoal e para a busca de relações capazes de nutrir e nos enriquecer”, finaliza o especialista.

*William Sanches é Terapeuta Transpessoal é Pós-graduado em Neurociências e Comportamento pela PUC-RS. Também cursou Letras, Pedagogia e é pós-graduado em Literaturas, Educação, Psicologia Positiva, Hipnose Clínica e Programação Neurolinguística. Estudou as Questões Sociais do Novo Milênio na Universidade de Coimbra, em Portugal. Apaixonado pelos temas que envolvem a alma, aprofundou-se nos estudos sobre espiritualidade independente e participou de Retiros pelo Brasil, Índia e Israel. Com uma linguagem dinâmica e atual, consegue permitir uma reflexão capaz de construir novos caminhos. Educador por excelência, dedica-se às palestras, cursos e workshops que profere em todo o mundo, atingindo um público estimado em dois milhões de pessoas. 

Possui mais de 25 livros publicados no Brasil, Europa e em toda América Latina. Atualmente é uma das maiores referências sobre o tema Lei da Atração. Seu canal no YouTube ultrapassa 1 milhão de inscritos e mais de 40 milhões de visualizações. Para mais informações, acesse: www.williamsanches.com ou pelas redes sociais @williamsanchesoficial.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.