Inteligência artificial é aprovada em concurso da diplomacia

0 3

Startup educacional Clipping treinou IA para passar em uma das provas mais concorridas e difíceis do Brasil: e o resultado impressionou

A startup de educação Clipping realizou um experimento inovador com inteligência artificial para avaliar se a tecnologia seria capaz de passar no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), um dos mais difíceis do Brasil. Como resultado, o Clipping GPT — IA criada pela startup a partir do modelo do GPT — obteve 597 (de um total de 800) pontos, o suficiente para que fosse aprovado na 23ª colocação da edição de 2023 da prova, conseguindo, portanto, uma das 35 vagas disponibilizadas no certame.

A aprovação da IA no CACD tem um significado especial para a aplicação de tecnologias ao mercado de educação, dada a complexidade da prova. O concurso é conhecido pela amplitude temática do edital, bem como pela profundidade e rigor acadêmico exigidos pela banca examinadora. Anualmente, cerca de seis mil candidatos disputam aproximadamente 35 vagas em uma extenuante maratona de provas objetivas e discursivas de disciplinas dos mais variados campos do conhecimento. Na última edição, a concorrência foi de 190 candidatos por vaga, e o tempo médio de preparação entre os aprovados foi de aproximadamente cinco anos de estudos. O treinamento do Clipping GPT durou 7 dias ao todo.

“Usamos a estrutura base do GPT, da Open IA, e metodologia proprietária para construir um modelo especificamente destinado a ajudar candidatos que estudam para a prova da diplomacia. Esse trabalho permitiu ao nosso modelo compreender melhor determinados contextos e apresentar respostas mais específicas para as exigências do concurso da diplomacia do que o GPT-4.”, explica Rafael Pinheiro, CEO do Clipping.

A aprovação da IA significa que o sistema foi capaz de obter uma pontuação superior à nota de corte do concurso de diplomata, ministrada pelo Instituto Rio Branco, demonstrando habilidades e conhecimentos relevantes e abrindo novas possibilidades para a aplicação de inteligência artificial na preparação de candidatos para provas de alta complexidade. Com taxa de aprovação média de 94% no CACD, o Clipping vem desde 2019 empreendendo uma política de inovação especificamente focada em inteligência artificial.

O Clipping lançou recentemente, por exemplo, um sistema de correção automática de questões discursivas por machine learning, resultado de um projeto de pesquisa realizado em conjunto com o departamento de Ciências da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BHTEC), centro de inovação criado por meio de uma parceria entre o governo de Minas Gerais, Sebrae e UFMG e do qual o Clipping é empresa residente.

“A aprovação da nossa IA no CACD é um marco importante para a aplicação concreta de LLMs, como o GPT, na área da educação O Clipping continuará investindo em tecnologias de ponta para ajudar candidatos a se prepararem para concursos e provas de alta complexidade”, afirma Pinheiro.

“Estamos empenhados em acelerar o desenvolvimento da tecnologia, ainda em beta, e que nas próximas semanas estará disponível para milhares de candidatos à diplomacia. Mas isso é só o começo. O modelo está também sendo testado em outras verticais dentro do mercado de educação e é prevista a abertura da nossa API, para que possamos escalar o uso para empresas e outras organizações e contextos. Estamos só no começo”, ressalta.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.