Educação cidadã: fazer sentir para transformar

0 13

Somos muito bem-informados, mas centenas de notícias de racismo, intolerância, violência e preconceito não parecem ser suficientes para que nossa visão de mundo e ações mudem. Não é que somos insensíveis. Mas informação por si só nunca significou mudança de perspectiva e, consequentemente, de ações. Ser informado é importante, mas não é o suficiente.

Para mudar, precisamos ter vivências que nos coloquem numa posição de mudança. Parafraseando Jorge Larrosa Bondia, professor da Universidade de Barcelona, a grande diferença entre a experiência e a informação é que a experiência é o que nos passa, o que nos acontece, o que nos toca. Nossas memórias mais marcantes são de momentos que vivemos, não de coisas que aprendemos. A neurociência explicita que a emoção no momento do aprendizado é fundamental para sua internalização de longo prazo. Então, como criar vivências em sala de aula para que nossos jovens possam se transformar?

A Viven – Cidadãos para um Amanhã Melhor nasceu em 2019 no Brasil e tem como missão fomentar transformação social, por meio da educação cidadã. Ela se inspira e tem parceria com a High Resolves, que desde 2015 atua na Austrália e já recebeu vários prêmios locais, além do reconhecimento da Schwab Foundation no Fórum Econômico Mundial. Em quase quatro anos de Brasil, a Viven já formou mais de três mil professores de 218 escolas públicas e particulares do ensino Fundamental II e do Ensino Médio, de 95 municípios brasileiros.

Acreditamos que a educação cidadã desempenha papel vital na formação de indivíduos conscientes, responsáveis e comprometidos com a coletividade. No entanto, a abordagem tradicional da educação em geral negligencia o aspecto emocional e subjetivo do aprendizado. Neste contexto, reconhecer a importância do sentir e da emocionalidade na educação cidadã emerge como um componente essencial para a formação integral do século XXI. A conexão entre sentimentos e ações é chave na formação de cidadãos ativos e engajados. É preciso criar mais espaços de vivências no ambiente escolar.

Para isso, nós, da Viven, formamos educadores por meio de metodologia de homologia de processos: eles se conectam com seus próprios sentimentos e experimentam sua transformação pessoal durante sua formação. Depois, têm acesso à nossa biblioteca, repleta de materiais e de recursos. O objetivo é levar as vivências aos estudantes em aulas diferenciadas que se utilizam do sentir para transformar.

Para concluir a trilha de aprendizado, os estudantes, em equipe, percorrem um jogo de 10 etapas criando vídeos de um minuto sobre uma causa social para a qual querem dar visibilidade e propor uma chamada para ação. Em 2022, foram produzidos mais de 500 vídeos para o Desafio Videos for Change, premiados em 12 festivais regionais, abrangendo 16 cidades de São Paulo, Pernambuco, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Sergipe. Este ano, os 81 vídeos vencedores dos festivais regionais, participarão do primeiro Festival Videos for Change Nacional com o objetivo de dar uma voz ainda mais potente aos estudantes.

A ênfase na vivência não apenas enriquece a experiência educacional. Ela prepara os estudantes no seu pensamento crítico e protagonismo e permite enfrentar os desafios complexos de uma sociedade em constante evolução. Ao valorizar o sentir para transformar, a educação cidadã capacita os estudantes a desenvolver empatia, compreensão interpessoal, habilidades de resolução de conflitos e um compromisso genuíno com o bem-estar coletivo, o que estabelece uma base sólida para um futuro mais harmonioso e inclusivo. Que o sentir ganhe espaço nas salas de aula!

Lina Wurzmann é responsável pela criação da Viven no Brasil e lidera a ONG desde 2019.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.